Simples Nacional: Entenda como funciona o anexo II

Se você está pensando em abrir seu empreendimento, precisa entender como funcionam os regimes de tributação que estabelecem os impostos a serem pagos pelos contribuintes.

Mas hoje, vamos falar especificamente sobre as empresas que atuam no setor industrial e fazem a adesão ao Simples Nacional.

Neste regime, as alíquotas são estabelecidas por anexos e variam conforme a atividade desenvolvida.

Assim, elas formam uma tabela que é dividida por faixas de receita bruta referente aos últimos 12 meses de operação da empresa.

Conhecendo mais sobre os anexos, você poderá descobrir como será a tributação da sua empresa, para te ajudar, hoje vamos falar sobre o Anexo II da tabela do Simples Nacional.

O que é Simples Nacional? 

Este é um regime tributário voltado principalmente para as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), que estejam regulares perante os órgãos fiscalizadores.

O limite de faturamento para participar deste regime tributário está estabelecido da seguinte forma:

  • MEI (Microempreendedor Individual): faturamento limitado a R$ 81  mil ao ano
  • ME (Micro empresa): faturamento máximo de R$ 360 mil/ano
  • EPP (Empresa de Pequeno Porte): sua receita bruta anual fica entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões
  • Eireli (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada): sua adesão ao Simples está condicionada ao faturamento equivalente à pequena empresa, registrando-se como ME ou EPP.

Além do faturamento, do tipo de atividade e do porte da empresa, é preciso atender outros critérios para ser enquadrado nesse regime tributário, como por exemplo se a sua atividade consta entre aquelas que são previstas pelo regime que pode ser conferida pelo CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas).

Como é feita a tributação?

A tributação para estas empresas é realizada de acordo com a aplicação de uma alíquota sobre a receita registrada em determinado período.

Por isso, utilizamos a tabela do Simples Nacional para que seja verificado em qual dos anexos a empresa está inserida. São eles:

Designed by @lovelyday12 / freepik
Designed by @lovelyday12 / freepik

Anexo 1 – Comércio

Anexo 2 – Indústria

Anexo 3 – Prestadores de Serviço

Anexo 4 – Prestadores de Serviço

Anexo 5 – Prestadores de Serviço

O que é o Anexo I? 

Este anexo é voltado às atividades relacionadas à indústria, ou seja, que são aquelas que vendem mercadorias industrializadas.

Desta forma, a alíquota varia de 4,5% a 30% e valor a deduzir de zero a R$ 720.000,00. Veja abaixo o anexo II:

Faixa Alíquota Valor a Deduzir (em R$) Receita Bruta em 12 Meses (em R$)
1a Faixa 4,50% Até 180.000,00
2a Faixa 7,80% 5.940,00 De 180.000,01 a 360.000,00
3a Faixa 10,00% 13.860,00 De 360.000,01 a 720.000,00
4a Faixa 11,20% 22.500,00 De 720.000,01 a 1.800.000,00
5a Faixa 14,70% 85.500,00 De 1.800.000,01 a 3.600.000,00
6a Faixa 30,00% 720.000,00 De 3.600.000,01 a 4.800.000

Cálculo do Simples Nacional

Para saber qual valor pagar, é preciso fazer cálculos corretos para evitar o pagamento de impostos de forma indevida.

Falamos acima que as atividades permitidas ao Simples Nacional foram separadas em 5 anexos diferentes que possuem as respectivas alíquotas para serem utilizadas.

Desta forma, cada uma delas está dividida em 6 faixas de faturamento com alíquotas progressivas, ou seja, quanto mais a empresa fatura, maior o imposto.

Então, para a primeira faixa de faturamento de todas as tabelas, até R$ 180 mil nos últimos 12 meses, a alíquota é fixa.

Veja a seguir o percentual de repartição dos tributos:

CPP IPI CSLL ICMS IRPJ Cofins Faixas PIS/Pasep
37,50% 7,50% 3,50% 32,00% 5,50% 11,51% 1a Faixa 2,49%
37,50% 7,50% 3,50% 32,00% 5,50% 11,51% 2a Faixa 2,49%
37,50% 7,50% 3,50% 32,00% 5,50% 11,51% 3a Faixa 2,49%
37,50% 7,50% 3,50% 32,00% 5,50% 11,51% 4a Faixa 2,49%
37,50% 7,50% 3,50% 32,00% 5,50% 11,51% 5a Faixa 2,49%
23,50% 35,00% 7,50% 8,50% 20,96% 6a Faixa 4,54%

Então, saiba que se o faturamento ultrapassar o limite de  limite de R$ 180 mil nos últimos 12 meses, é preciso utilizar uma fórmula para o cálculo da alíquota:

(faturamento últimos 12 meses * alíquota da tabela) – dedução da tabela

                             faturamento últimos 12 meses

Depois, para saber o valor em percentual, é necessário multiplicá-lo por 100.

Para evitar erros, conte com a ajuda de um contador que possui experiência nesse tipo de cálculo.

Por Samara Arruda 

Veja o Treta dos Famosos e fique atualizado de notícias dos famosos

Fonte do Artigo

Read Previous

conheça alguns dos mais falados

Read Next

Revisão da Vida Toda pode aumentar a aposentadoria dos assegurados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *