Os principais acontecimentos do mercado financeiro em Junho

É sempre válido saber o que aconteceu no último mês para entender quais são os próximos passos da economia brasileira e do mundo. Quer um balanço simples do que foi o mês de junho?

A Genial ajuda você a interpretar os principais acontecimentos que mexeram com o mercado financeiro no mês de julho. Continua a leitura para saber o quadro da economia brasileira!

1) Os 100 milénio pontos da Bolsa

A Bolsa brasileira registrou, finalmente, o seu recorde histórico, ultrapassando os 100 milénio pontos. Não só atingiu uma vez que fechou o mês supra: 100.967 pontos. Em março, a meta já havia sido tocada durante o pregão, mas sem conseguir fechar supra dos 100 milénio pontos.

2) Ibovespa

No Brasil, o Ibovespa, índice que mede o desempenho da Bolsa brasileira, teve o seu segundo melhor desempenho mensal até agora. Em junho, o indicador subiu pouco mais de 4%, valorizando mais que os meses de abril e maio juntos. Só não foi melhor que janeiro, quando a Bolsa valorizou mais de 10% por desculpa da euforia do mercado frente ao portanto recém-empossado governo Bolsonaro.

O Ibovespa seguiu o ótimo desempenho das últimas semanas de maio, recuperando as perdas. Grande troço do otimismo dos investidores brasileiros se deu porque a reforma da Previdência tem tomado bons rumos pelos olhos do mercado. A proposta tramita na Percentagem Peculiar e deve ser votada em breve.

3) Dólar

Em junho, o dólar caiu mais de 2%, o que mostra sinal de robustez do real frente à moeda norte-americana e a melhora no otimismo do mercado brasílico.

4) Mercado extrínseco em subida

Com sinais de trégua na guerra mercantil entre EUA e China, o mês de junho também foi bom para o mercado extrínseco.

Os índices Dow Jones e Nasdaq, representando as maiores Bolsas do mercado norte-americano, registraram cada um subida de mais de 7% neste mês. A Bolsa de Londres teve subida de quase 4% e a de Frankurt, mais de 5%.

5) Congraçamento entre Mercosul e União Europeia

Na última semana do mês, o Mercosul e a União Europeia firmaram o conformidade de livre-comércio entre os blocos econômicos. O governo brasílico prevê um impulsionamento ainda maior das exportações brasileiras para a zona europeia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
1