Diferencial de alíquotas – Lei Complementar regula cobrança

 

O governo federalista publicou a Lei Complementar nº 190, de 04 de janeiro de 2022 – DOU 05/01/2022 para tratar sobre as operações e prestações interestaduais destinadas a consumidor final não tributário sobre o diferencial de alíquotas, norma esta que alterou a Lei Complementar nº 87/96 (Lei Kandir) em vários pontos.

A publicação da mencionada Lei Complementar foi uma exigência do Supremo Tribunal Federalista (STF), em vista da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.469 que considerou inconstitucional várias cláusulas do Convênio ICMS nº 93/15, que tratava sobre a incidência do ICMS relativo ao Diferencial de Alíquotas (Difal) nas operações e prestações a consumidor final não tributário do imposto, localizado em outra Unidade da Federação.

A cobrança do diferencial a que se refere esta Lei Complementar, incide sobre as operações presenciais e não presenciais do consumidor, onde há o deslocamento físico da mercadoria de um estado para outro.

Produção de efeitos sobre o diferencial de alíquotas

Tendo em vista que somente no dia 05/01/2022 ocorreu a publicação da Lei Complementar nº 190/22, em reverência ao princípio da anterioridade anual a que se refere a nossa Constituição Federalista (item 150, III, “b”), o ICMS relativo ao diferencial de alíquotas das mencionadas operações deveria ser cobrado das empresas não optantes pelo Simples Pátrio, somente a partir de 1º de janeiro de 2023.

Por outro lado, os Secretários de Herdade dos estados afirmam que a cobrança é imediata.

Nesse sentido, o COMSEFAZ publicou nota argumentando que, tendo em vista que para o ICMS, a publicação da Lei Complementar nº 190/22 não institui cobrança nem aumenta o tributo, os estados não precisam interromper a cobrança do diferencial das operações objeto do presente texto.

Por outro lado, especialistas e empresas entendem que a diferença do ICMS no tramontana só pode ser cobrada a partir de 2023.

Assim, caso a cobrança seja mantida pelos estados, o tributário que pretende prometer o recta de não recolher o Diferencial de Alíquotas em 2022, deve recorrer ao judiciário.

Uma vez que fica o diferencial para as empresas do Simples Pátrio?

O Diferencial de Alíquotas disciplinado pela Lei Complementar nº 190/22 não afeta os contribuintes do Simples Pátrio.

Para que a cobrança seja feita para estes contribuintes, deveria possuir mudança na Lei Complementar nº 123/06, o chamado Regimento Pátrio das Micro e Pequenas Empresas, e isso não ocorreu.

Portanto, os contribuintes do Simples Pátrio não irão recolher o diferencial nas saídas de mercadorias e prestações de serviços sujeitas ao ICMS, com tramontana a não contribuintes de outros estados.

Veja cá, o texto da Lei Complementar nº 190, de 04 de janeiro de 2022 – DOU 05/01/2022 em sua integra.

Veja algumas notícias similares cá.

Feito com ❤ por Legalmatic.

Feito por: Silvio Costa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima
1