Aposentadoria: STF vai estudar a Revisão da Vida do INSS no início de junho

O STF (Supremo Tribunal Federalista) colocou na tarifa de junho, o julgamento sobre a revisão de aposentadorias de trabalhadores ativos antes de 1994 (Revisão da Vida Toda). A estudo do STF acontecerá nos dias 4 e 11 de junho de 2021.

Está previsto uma mudança do operação de aposentadoria para trabalhadores que contribuem com o INSS (Instituto Vernáculo do Seguro Social) antes da chegada do Projecto Real.

O INSS, atualmente, computa a aposentadoria a partir dos valores pagos à Previdência em seguida 1994, sem contabilizar as contribuições em moedas anteriores.

No início de maio, a Procuradoria-Universal da República (PGR) apresentou parecer favorável à medida.

O INSS, porém, recorreu ao STF (Supremo Tribunal Federalista) para tentar frear a trabalho da chamada “revisão da vida toda” argumentando questões econômicas.

O que está em jogo?

Segundo o Portal R7, a decisão deverá beneficiar profissionais que estão no mercado de trabalho antes de julho de 1994 (aposentados ou não) que vão poder exigir a inclusão dessas contribuições na escrutínio.

Em relação aos aposentados, o prazo para pedir a revisão será de até 10 anos. No caso de alguém ter se reformado em 2010, o prazo expira agora, em 2021.

O legista João Badari, profissional em recta previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados, comemorou o parecer favorável e acredita ser ela é um passo importante para que o STF siga o mesmo entendimento.

“Enfim, regras de transição sempre devem beneficiar, nunca prejudicar. Enxergo a Revisão da Vida Toda uma vez que a mais importante revisão de aposentadoria desde a negativa da desaposentação, espero que o STF traga justiça aos aposentados que foram prejudicados”, pontua o legista.

Edição por Jorge Roberto Wrigt Cunha – jornalista do Jornal Contábil

Veja o Treta dos Famosos e fique atualizado de notícias dos famosos

Nascente do Item

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima